O menino de outro planeta

O menino de outro planeta

– É impossível que não exista vida em outro planeta! – diz Azulzinho olhando para o céu repleto de estrelas brilhantes.
Sentado de pernas cruzadas, ele procura atentamente por algum sinal que mostre que o que ele aprendeu na escola não está correto.
– É impossível que não exista vida em outro planeta! – repete, balançando a cabeça.
Para ter uma visão melhor do céu, deixa o corpo cair para trás e fica deitado, sem piscar os olhos.
O tempo passa e ele é vencido pelo cansaço e adormece.
O sono é tão profundo que ele sonha que está em uma nave espacial, chegando em um planetinha azul. Ao desembarcar é recebido por um menino igual a ele, só que com pelos* na cabeça. Ele olha para os lados e vê que todos os habitantes do planetinha são assim. Alguns tem pelos mais claros, outros mais escuros.
Alguns meninos usam chapéus e algumas meninas, fitas amarradas nesses pelos.
Azulzinho acha muito engraçado, mas segura o riso para não ser mal educado, afinal de contas sua mãe sempre lhe ensinou a respeitar as diferenças.
O menino fala. Ele vê que sua boca mexe, mas não ouve nenhum som.
Ele fica agoniado e seu corpo começa a tremer todo. Agora ouve uma voz lá no fundo, que vai ficando cada vez mais alta e clara.
– Azulzinho! – grita seu irmão enquanto o sacode.
Ele acorda assustado e ao ver que estava sonhando, fica muito triste.
– A mamãe está chamando para jantar – diz o irmão, puxando-o pelo braço.
Mais tarde, deitado na cama com a janela aberta ele não para de pensar no sonho que teve.
– Parecia muito real – resmunga.
Fechando os olhos ele tenta lembrar de todos os detalhes, mas na sua mente só vem a imagem dos pelos nas cabeças dos habitantes do planetinha.
De repente ele dá um salto da cama e grita:
– É isso! Vou dormir! Quem sabe não continuo o sonho de onde ele parou?
Então ele corre para o banheiro, faz xixi, escova os dentes e se joga de novo na cama. Apaga a luz, puxa a coberta e fica esperando o sono vir.
Rola para um lado, rola para o outro, mas a ansiedade não o deixa relaxar.
Parece que quanto mais ele quer dormir, mais difícil fica.
Aí ele se lembra que a mamãe sempre faz um chazinho para a vovó, para que ela durma bem.
– Manhêêê! – corre aos berros pela casa.
Alguns minutinhos depois lá está ele assoprando a caneca para esfriar o chá que sua mãe lhe preparou.
Assim que termina, já começa a sentir que os olhos estão pesando. Ele não luta contra, pelo contrário, volta para seu quarto, deita e adormece.
E não é que o sonho continuou?
Agora ele ouve perfeitamente o que lhe diz o menino, enquanto passeiam por ruas cheias de árvores e passarinhos, iguais aos do planeta onde ele mora.
Ele é só felicidade.
No fundo Azulzinho sabe que é só um sonho, mas será que não existe outro planetinha por aí, com pessoas iguais a nós, pensa ele.
E você amiguinho, o que acha?

* pelos: são os nossos cabelos

ATENÇÃO: você está acessando nosso site usando um celular ou tablet, por esse motivo não consegue ver os nossos Dedoches!
Cada estória vem com um par de dedoches para você imprimir, recortar e fazer com que a brincadeira seja muito mais divertida!
Acesse agora através de um computador ou notebook para conhecer os Dedoches!

Ei, que tal tornar a estória mais interessante, imprimindo e usando os nossos dedoches?